Alguma Poesia – Carlos Drummond de Andrade

Iniciando nossa corrida para a Fuvest 2022, apresento-lhes: Alguma Poesia de Carlos Drummond de Andrade. É necessário salientar que todas as informações que serão aqui apresentadas, tem como intuito ajudar o vestibulando. As fontes serão citadas no final do post.

De acordo com o vestibular uol, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é o maior poeta brasileiro deste século e um dos maiores de todos os tempos em língua portuguesa, ao lado de Camões e Pessoa, poetas que parodiou e homenageou mais de uma vez, como em “A Máquina do Mundo” e “Sonetilho do Falso Fernando Pessoa” (ambos poemas de seu livro “Claro Enigma”). Drummond é um marco inicial da segunda geração modernista, a que se projetou a partir dos anos 30. No quadro geral de nosso modernismo, porém, Drummond avulta como um dos maiores inventores e mestres, como o autor que melhor assimilou e depurou o espírito da Semana de 22, que foi a principal matriz de sua poesia, pelo menos até os anos 60, quando ele já era um “clássico” e um modelo para novos autores.

Sobre o livro, o site passei na web deixa claro que, publicado em 1930, Alguma Poesia, primeira obra poética de Drummond, contém quarenta e nove poemas, muitos deles, micro-poemas, reunindo produções do autor, entre 1925 e 1930 e tem sido considerado como elo de ligação entre a primeira e a segunda gerações do nosso Modernismo, representando a síntese mais perfeita entre elas.

Alguma Poesia foi escrito sob o ímpeto da modernidade de 1922, pratica o poema-piada, utiliza os coloquialismos apregoados pela estética, cultiva a poesia do cotidiano, repudiando as tendências parnasiano-simbolistas que dominaram a poesia até então. No entanto, o poema-piada de Drummond é antes um desabafo de um tímido que procura afogar (disfarçar) no humor os sentimentos que o amarguram. No prosaísmo esconde a procura de uma expressão poética autêntica e autônoma e, ao se voltar para o cotidiano, transcende o tempo e o espaço em busca do perene e universal.

Drummond seguiu em Alguma Poesia a mesma linha temática que permaneceu durante sua trajetória poética, que pode ser identificada como se segue, a partir do que o próprio autor sugere como condução temática de sua obra:

1. O indivíduo “um eu todo retorcido”
Seção que investiga a formação do poeta e sua visão acerca do mundo. Sempre lúcido, discorre com amargor, pessimismo, ironia e humor o que ele, atento observador, capta de si mesmo e das coisas que o rodeiam. Alguns poemas sintetizam a visão do indivíduo, como o poema Poema de sete faces em que vaticina seu destino. É o primeiro poema de Alguma Poesia do qual transcreve-se a primeira estrofe: Quando nasci, um anjo torto / desses que vivem na sombra / disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

A palavra gauche (lê-se gôx), de origem francesa, corresponde a “esquerdo” em nosso idioma. Em sentido figurado, o termo pode significar “acanhado”, ” inepto”. Qualifica o ser às avessas, o “torto”, aquele que está à margem da realidade circundante e que com ela não consegue se comunicar.

2. A família a família que me dei”
Uma das constantes temáticas de Drummond, presente desde Alguma Poesia até seus versos finais, é a família, sua vivência interiorana em Minas Gerais, a paisagem que marca sua memória. Contrariando o lugar-comum, ao invés de se referir à família como algo que lhe foi atribuído por Deus, o poeta coloca um “que me dei” a analisa suas relações pessoais, consciente de que se assentam na perspectiva pessoal. De modo muito individual, retrata o escoar do tempo, como é possível observar em InfânciaFamíliaSesta, alguns dos mais significativos poemas de Alguma Poesia.

3. O conhecimento amoroso “amar-amaro”
Com o jogo de palavras amar-amaro, título emprestado de um poema do livro Lição de Coisas, o poeta acrescenta ao substantivo “amar” o adjetivo “amargo”, sentimento recorrente em alguns de seus poemas e livros escritos posteriormente. Em Alguma Poesia o tema é tratado com boas doses de humor, sátira ou pitadas de idealismo, como em Toada do amorSentimentalQuero me casarQuadrilha.

4. Paisagem e viagens
Um grupo de poesias faz anotações sobre viagens, retratando paisagens vistas e vividas, mas também recuperando as influências recebidas da sempre subserviente postura brasileira ante as supercivilizações, como em Lanterna mágicaEuropa, França e Bahia.

5. O social e a evolução dos tempos
Drummond constrói poemas em que contempla a mudança dos tempos, o progresso chegando e invadindo a antiga paisagem, como em A rua diferente ou Sobrevivente.

O site da fccda explana que, são 49 poemas (ou 56, se contados os oito poemetos conjuntamente intitulados “Lanterna mágica”). E já começa com um que se tornaria famoso, o “Poema de sete faces”, em que se leem versos hoje ditos de cor por milhões de leitores: “Vai, Carlos, ser ‘gauche’ na vida”; “Mundo mundo vasto mundo, / se eu me chamasse Raimundo / seria uma rima, não seria uma solução. / Mundo mundo vasto mundo, / mais vasto é meu coração.” Neste último verso, o ensaísta Affonso Romano de Sant’Anna vê o indicador do primeiro dos três sentimentos que podem resumir a evolução da poética drummondiana: “meu coração maior que o mundo”, a que se seguiriam “meu coração menor que o mundo” (no poema “Mundo grande”, do livro “Sentimento do mundo”, de 1940) e o equilíbrio que representa a plenitude do poeta, “meu coração igual ao mundo” (no poema “Caso do vestido”, do livro “A rosa do povo”,  de 1945). Lembre-se haver sido Affonso Romano de Sant’Anna o primeiro a defender uma tese de doutorado sobre a obra do conterrâneo mineiro, “Drummond, o ‘gauche’ no tempo”, escrita em 1969, aos 32 anos de idade, e publicada em 1972.

POEMAS

Drummond escreveu “Alguma Poesia” sob o ímpeto do movimento modernista, que no Brasil ganhou fôlego com a Semana de Arte Moderna, em 1922. O primeiro livro do itabirano contava com versos produzidos entre os anos de 1925 e 1930. Ao todo, o volume conta com 49 poesias:

  • Poema de Sete Faces
  • Infância
  • Casamento do Céu e do Inferno
  • Também Já fui Brasileiro
  • Construção
  • Toada do Amor
  • Europa, França e Bahia
  • Lanterna Mágica
  • A Rua Diferente
  • Lagoa
  • Cantiga de Viúvo
  • O que Fizeram do Natal
  • Política Literária
  • Sentimental
  • No Meio do Caminho
  • Igreja
  • Poema que Aconteceu
  • Esperteza
  • Política
  • Poema do Jornal
  • Sweet Home
  • Nota Social
  • Coração Numeroso
  • Poesia
  • Festa no Brejo
  • Jardim da Praça da Liberdade
  • Cidadezinha Qualquer
  • Fuga
  • Sinal de Apito
  • Papai Noel às Avessas
  • Quadrilha
  • Família
  • O Sobrevivente
  • Moça e Soldado
  • Anedota Búlgara
  • Música
  • Cota Zero
  • Iniciação Amorosa
  • Balada do Amor através das Idades
  • Cabaré Mineiro
  • Quero me Casar
  • Epigrama para Emílio Moura
  • Sociedade
  • Elegia do Rei de Sião
  • Sesta
  • Outubro 1930
  • Explicação
  • Romaria
  • Poema da Purificação

Poemas escolhidos

Fonte: https://www.passeiweb.com/estudos/livros/alguma_poesia/

Fonte: https://vestibular.uol.com.br/resumos-de-livros/alguma-poesia.htm

Fonte: https://fccda.com.br/novo/noticias/alguma-poesia-90-anos/

Fonte imagem : https://www.etapa.com.br/home/apoio-ao-vestibulando/leituras-obrigatorias/alguma-poesia

Adquira o seu exemplar na Amazon!!

2 comentários sobre “Alguma Poesia – Carlos Drummond de Andrade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s